“Não podia ser pai”

Impossibilitado de ter filhos devido a um problema de saúde, Jorge viu-se a travar a maior batalha da sua vida…

“Estava a tentar ter filhos há quatro anos e nada acontecia… e, na altura, também acabei por ficar desempregado.” Foi nessa fase que Jorge foi convidado para ir à Igreja Universal. Embora relutante, pois pensava que se Deus de facto desejasse agir na sua vida já o teria feito, acabou por aceitar o convite.

“Comecei a ter outra visão da vida, que Deus existia e não era nada daquilo que eu pensava. Passei a frequentar a Igreja e a Mónica também veio, sendo que na altura ainda só vivíamos juntos.”

Para Mónica, o principal problema não era nem sequer conseguirem ter filhos, já que ambos discutiam muito e a vida não lhes corria de feição. “Faltava algo na nossa vida, que era a presença de Deus.”

NOVA APRENDIZAGEM.
 “Entrámos na Igreja no ano 2005 e decidimos entregar a nossa vida a Deus, pois não tínhamos nada a perder. Desempregados, viciados, sem filhos, sem nada, pensámos ‘vamos ver no que é que dá’. Então, começámos a fazer tudo o que nos ensinavam. Comecei a usar a Fé! Chegava a casa, dobrava os joelhos e falava com Deus, dizendo-lhe que Ele era pai e que eu também queria ser”, relembra Jorge.

Orientados por uma fé inabalável e o desejo de fazer tudo da forma correta, o casal batizou-se nas águas e oficializou a sua união. “Houve momentos em que hesitei, mas depois aconselhei-me e decidi, pois, se Deus tinha curado e libertado tantos, então, também poderia fazê-lo comigo!”

REALIZADOS. “Entretanto, durante este processo todo, a Mónica engravidou e foi logo de gémeos. Também arranjei um trabalho muito bom e a ganhar bem. Mas, como quatro já não é o mesmo que dois, decidimos que ela ficaria em casa a cuidar da família enquanto eu ia trabalhar. Fui trabalhar para Espanha a ganhar muito bem, com casa, carro, tudo pago. Ia e vinha e, neste período, a minha esposa engravidou outra vez.

Então, surgiu a ideia de montar uma empresa. Vim para Portugal e comecei a trabalhar na zona do Porto, na área da construção e reparações, e agora tenho o meu próprio negócio. Posso dizer que Deus abençoou-nos em tudo!”

Jorge Gonçalves, Universal Areosa

Fonte: Folha de Portugal