Notícia

O que um pastor aprendeu na prisão

Internacional, Noticias, Videoteca |

O pastor Heleno Angelo Luiz, de 36 anos, que já realizou o trabalho evangelístico da Universal no Brasil, Jamaica, Ilhas Cayman e, atualmente, está na cidade de New Amsterdam, na Guiana, norte da América do Sul, foi detido recentemente pela polícia do país.

O episódio ocorreu em março deste ano, quando ele, acompanhado de alguns pastores, se envolveram em um acidente de trânsito.

Por causa das leis do local, o pastor teve o pedido de fiança negado e ficou preso por um período de 72 horas na delegacia da região. Após cumprir este tempo, ele foi transferido para o antigo presídio de Camp Street Prison, em Georgetown, na capital do país, e ali passou 28 dias totalmente recluso.

Sem entender o que estava acontecendo, questionamentos tomavam seus pensamentos, como também das pessoas que estavam a sua volta. Mas, logo tudo se esclareceu, pois Deus sempre tem um propósito para fazer Sua Palavra se cumprir. Por aproximadamente 12 anos, a Universal lutava para obter uma permissão para realizar o trabalho evangelístico dentro das unidades prisionais do país, mas todas as vezes que o pedido era solicitado, as autoridades negavam.

O trabalho que a Universal realiza só foi reconhecido após a prisão do pastor e também pelo trabalho de evangelização que ele realizou com os mais de 70 detidos e demais agentes penitenciários. Após esse episódio, finalmente, foi concedido a autorização para a realização do trabalho de oração dentro do presídio.

“Senti como se fosse um teste dá minha fé. Tudo aconteceu dois dias após o Jejum de Daniel. Eu havia me consagrado como há muito tempo não fazia. Parecia que Deus estava nos revestindo, não conseguia entender o porquê de tudo aquilo, mas um pastor me disse: ‘Não é momento de questionar a Deus e sim de compreender a vontade dEle, tudo tem um propósito’”.

Lá dentro, já no dia seguinte, o pastor foi convidado para fazer a abertura da celebração do dia Internacional das Mulheres, com uma homenagem às agentes penitenciárias femininas. “Quando vi meu nome no topo da lista da programação, comecei a perceber o porquê de tudo aquilo”, explica o pastor.

O pastor destaca que todos os dias vividos na prisão foram marcados por lutas espirituais e também serviram de aprendizado para ele, pois conheceu pessoalmente a dor de muitos injustiçados. “No presídio, tem muita gente boa e injustiçada sendo presa preventivamente por anos. Pude ver, por meio dessa experiência, que somente a fé em Deus e o Espírito Santo para poder manter a vida no altar, independentemente, da situação”, afirma.

Durante o período que ficou preso, muitas pessoas do lado de fora oravam pelo pastor, principalmente a esposa dele, que não desanimou diante da aflição. “Agradeço muito a todos que fizeram propósitos de oração por mim e também a minha esposa que sentiu na pele o que as esposas de presidiários sofrem, mas ela se manteve firme na fé. Quando conseguimos a autorização para fazer reuniões lá, foi como dar o troco no inferno por toda humilhação que passamos”, relatou o pastor.

Veja o testemunho completo do pastor Heleno no vídeo abaixo:

UNP pelo mundo

Há mais de 30 anos, a Universal desenvolve um trabalho evangelístico e social dentro e fora dos presídios e o objetivo desde o início sempre foi o mesmo: levar Vida, por meio da Palavra de Deus, aos encarcerados, apoio espiritual e social, além de auxílio direto aos familiares deles.

Ao longo dessas 3 décadas, o grupo cresceu, e novos voluntários foram chegando e, hoje, mais de 14 mil pessoas entre homens e mulheres, fazem parte do Universal nos Presídios (UNP) e atuam em unidades prisionais (masculinas e femininas) em todo o Brasil e em mais de 50 países.

Quer saber mais a respeito do UNP e de suas ações pelo Brasil e pelo mundo? Curta e compartilhe a página oficial do grupo no Facebook. Caso queira tornar-se um voluntário do UNP, obtenha mais informações em uma Universal mais próxima de sua casa.

Fonte: Universal.org  

Tags: 

Deixe o seu comentário

Ou preencha o formulário abaixo.

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *