A libertação definitiva

Leia a mensagem de hoje do livro “O Pão Nosso para 365 dias”

“Chegando a Leí, os filisteus lhe saíram ao encontro, jubilando; porém  o Espírito do SENHOR de tal maneira se apossou dele, que as cordas  que tinha nos braços se tornaram como fios de linho queimados,  e as suas amarraduras se desfizeram das suas mãos.” (Juízes 15.14)

Os inimigos estavam felicíssimos. Finalmente haviam capturado Sansão. Porém, a felicidade deles durou muito pouco. O Espírito do Senhor se apossou dele de tal maneira que aquilo que o prendia se tornou algo desprezível. A força de seus inimigos se tornou em fraqueza. O que estava amarrado se desfez. Facilmente ele se libertou.

Quando o Espírito de Deus se apossa de uma pessoa, ela fica livre de todas as suas amarras. Sob a ação do Espírito Santo, não há nada que você não possa fazer, nada é impossível, nada é difícil, nada é mais forte do que você, porque nada é mais forte do que o Espírito de Deus. Assim, não há dificuldade que possa parar aquele que está cheio do Espírito Santo.

Assim como os filisteus não puderam conter Sansão enquanto ele se manteve fiel a Deus, não há limitação alguma para aquele que tem o Espírito de Deus. Não há maldição, não há barreiras, não há insegurança capaz de segurar um filho de Deus, movido pela revolta legítima do Espírito.

Revolta contra as amarras. Revolta contra aquilo que o mantém preso, que o mantém limitado enquanto o próprio Deus já o libertou. “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão.” (Gálatas 5.1) Quem decide se vai ou não se submeter ao jugo de escravidão é você mesmo. Se já foi liberto por Cristo, se já é filho de Deus, à primeira tentativa de ser amarrado pelo mal, surge a revolta do Espírito, que o faz despedaçar facilmente as cordas da escravidão.

Permanecer firme no Espírito Santo é a única garantia  de libertação permanente.

(*) Fonte: livro “O Pão Nosso para 365 dias”, do Bispo Edir Macedo

Conheça a Universal mais perto de si.

Fonte: Universal.org

Artigos relacionados